A internacionalização necessária das Ciências Humanas, Sociais e Socias aplicadas

Carta enviada a Diretoria de Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas pelo FCHSSA.

A partir das discussões sobre internacionalização realizadas entre os dias 22 e 23 de junho de 2017, na sede do CNPq, em sessão plenária, com participação da comunidade científica presente, foram aprovadas as seguintes questões e encaminhamentos:

1- A  internacionalização das Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas tem especificidades quando comparada a outras áreas de conhecimento: culturas científicas, culturas nacionais e culturas linguísticas.

2- Nas Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas algumas práticas se destacam:  colaboração entre pesquisadoras/es, circulação de ideias, teorias e conceitos;  relações entre as dimensões locais, regionais e globais; interdisciplinaridade.

3- Investir na dimensão de mão dupla e horizontalizada dos processos de internacionalização na pesquisa e formação de recursos humanos, com participação na elaboração das bases conceituais e metodológicas.

4 –  Aprofundar as reflexões sobre as modalidades e dimensões de internacionalização a partir de consulta e debates promovidos pelas diferentes entidades que compõem o fórum.

5 – Considerar a política de internacionalização das Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas de forma específica e integrada às políticas do Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia, reconhecendo a necessidade de políticas de Estado nesta direção.

6- Vincular a internacionalização a todos os níveis da educação básica e superior.

7 – A internacionalização nas relações Norte-Sul e Sul-Sul não deve ser entendida de forma dicotômica, nem como uma modalidade alternativa às demais formas de cooperação internacionais

8 – As agências de fomento e avaliação, em discussão com a comunidade acadêmica da área de Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas, devem adotar critérios sensíveis às diferenças entre as cooperações Norte-Sul e Sul-Sul.

9 – A cooperação internacional deve atender aos consensos nacionais sobre ética em pesquisa, bem estar da população, responsabilidade da/o pesquisador/a, comunicação com a comunidade e participação da sociedade na definição das agendas de pesquisa.

10 – A cooperação internacional nas Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas é crucial para a inovação social, repensando, inclusive, as práticas e sentidos a ela relacionados.

11 – Pensar novos critérios e indicadores, alternativos ao fator de impacto e a exclusividade das publicações, para dimensionar e avaliar a qualidade da contribuição das Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas, de modo a contemplar as especificidades da área.

12 – Fomento e indução por agências de financiamento são condições necessárias para garantir as práticas editoriais que avancem na internacionalização considerando as singularidades das pesquisas em nas Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas nas suas diferentes materialidades.

13 – Incentivar as práticas das/os pesquisadoras/es nacionais e regionais no sentido de valorizar a produção epistemológica, teórica e metodológica nacionais, no que diz respeito às citações adotadas pela comunidade.

14 – Próximos seminários devem avançar nas discussões sobre os diferentes processos de internacionalização que já vem sendo adotados na produção e circulação de conhecimento: práticas editoriais, redes de pesquisa, agendas de agências de fomento, agendas das associações.

15 – A internacionalização passa necessariamente por questões lingüísticas que são necessárias para relações mais adequadas entre pesquisadores/as, sendo fundamentais esforços em duas frentes: manter a via anglófona e definir estratégias para  inclusão de português, espanhol e outras línguas na  internacionalização .

16 – Promover seminários regionais em articulação entidades, fórum e instituições de ensino superior e de fomento/avaliação à pesquisa (CNPq).

Brasília, 23 de junho de 2017

Relatoras/es:

Profa. Dra. Dolores Galindo (UFMT) – Associação Brasileira de Psicologia Social (ABRAPSO)

Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy (UNESP) – Coordenadora da Área do Comitê de Assessoramento de Ciências Sociais (CA-SC)/ CNPq.

Prof. Dr. Roberto Leiser Baronas (UFSCAR) – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística (ANPOLL)